Consumidor pode ser ressarcido em prejuízo com chuva?

Compartilhe!

Este mês de fevereiro 2020 foi “generoso” em notícias sobre enchentes em vários pontos do país, Atibaia inclusive. Mais uma vez, constatamos o impasse entre poder público, população e infraestrutura das cidades para enfrentar tempestades e temporadas intensas de precipitações. Em outras palavras, a culpada – nessa desculpa esfarrapada – é sempre a chuva.
Sem querer fazer trocadilho, quando o assunto é inundação, as atitudes precipitadas não cabem. É preciso planejar e investir muito. Se o poder público planejar e investir e a população fizer a sua parte, inclusive se sacrificando para obter a solução, a luz no fim do túnel, “lotado de água”, pode ocorrer.
Enquanto isso não ocorrer, muitos consumidores se perguntam: o que pode fazer diante do prejuízo na chuva? A especialista em defesa do consumidor da Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor), Juliana Moya, participou do Jornal da Band explicando que nem sempre é fácil recuperar os danos causados pela chuva. A rotina de alagamentos na região Sudeste desde o início do ano tem deixado um rastro de destruição e prejuízos para a população e uma pergunta no ar: como ser ressarcido?
Segundo Juliana, conseguir indenização por meio do poder público é muito difícil. Para a especialista, se prevenir é a melhor estratégia. Mas Juliana também alerta que, mesmo contratando um seguro particular para carros ou imóveis, é preciso solicitar a cobertura para enchente no momento da contratação do serviço.
“Em regra, a cobertura desse tipo de risco por enchente e dos danos decorrentes devem ser estipulados em contratação no anexo específico ao contrato principal. Geralmente, esse risco não vem coberto inicialmente; depende de uma negociação entre a pessoa e a seguradora”, alertou Juliana.

Deixe uma resposta