Na região de Atibaia, apenas Nazaré tem hospital municipal

Compartilhe!

Em Bragança, há o hospital da USF, que funciona como unidade pública. Em Atibaia, projeto do Hospital Municipal está caminhando. Foto da maquete do novo hospital público.

O Atibaiense – Da redação

Mais de 57 milhões de procedimentos – entre consultas, tratamentos, cirurgias, exames e atendimentos ambulatoriais – foram realizados nos 193 hospitais públicos, estaduais e municipais, do Estado de São Paulo no primeiro semestre de 2019. A amostra representa 31.115 leitos existentes e uma rede de atendimento que conta com um corpo de 28.179 médicos devidamente cadastrados no sistema.

            O Estado tem 102 hospitais municipais, com 10.271 leitos e 24.847.803 de procedimentos. Na região de Atibaia, apenas Nazaré Paulista tem hospital municipal. Os dados desse hospital são: 22 médicos, 43.970 atendimentos, consultas e exames, 11 leitos clínicos e taxa de mortalidade de 9,14%. Piracaia e Perdões também não têm.

Em Bragança, há o hospital da USF (Universidade São Francisco), que funciona como unidade pública. Em Atibaia, projeto do Hospital Municipal foi aprovado e está caminhando. Na região, estão presentes as Santas Casas, que ainda sofrem em geral com os recursos escassos do SUS.

NÃO FORAM INCLUÍDAS

            O Painel da Saúde-Hospitais, em que não estão incluídos os hospitais de entidades sem fins lucrativos ou filantrópicos, como as Santas Casas, tem como objetivo apresentar, de forma simples e de fácil entendimento, um panorama da assistência prestada pelos estabelecimentos de saúde próprios, estaduais e municipais. Também fazem parte do painel os hospitais administrados pela Prefeitura Municipal de São Paulo que atuam de forma articulada e integrada com a Secretaria de Estado da Saúde (SES).

Com previsão de atualização semestral, os dados de assistência médico-hospitalar prestada à população são apresentados numérica e graficamente, possibilitando ao interessado conhecer o desempenho hospitalar e ambulatorial, bem como os recursos utilizados para tanto (leitos, equipamentos, recursos humanos e, no caso de hospitais estaduais, recursos financeiros).

1º SEMESTRE DE 2019

Os dados obtidos dos vários sistemas pelo Tribunal de Contas do Estado, são referentes ao primeiro semestre de 2019 (entre janeiro e junho), e estão disponibilizados no Painel da Saúde – ferramenta desenvolvida pela Corte para mostrar um panorama da assistência hospitalar pública prestada aos cidadãos.

O Hospital das Clínicas da FMUSP, na Capital, lidera o ranking com o maior número de atendimentos, 4,3 milhões, o que representa 7,5% do total. A unidade, que é a maior em número de leitos (1.455), também foi a que mais realizou internações, totalizando 26.830 no período de seis meses.

MAIS ATENDIMENTOS

Campinas e Botucatu completam a lista dos três estabelecimentos universitários que mais efetuaram atendimentos, como o Hospital das Clínicas da UNICAMP e o Hospital das Clínicas de Botucatu, totalizando 2 milhões e 1,9 milhão de procedimentos, respectivamente.

O levantamento foi extraído a partir das bases de dados e informações colhidas junto ao Ministério da Saúde e às Pastas estaduais da Saúde e da Fazenda; e abrange os 193 hospitais próprios administrados diretamente pelo Estado e/ou municípios. Não estão incluídos no painel os hospitais de entidades sem fins lucrativos ou filantrópicos, como as Santas Casas. Do total, 53 unidades estão localizadas na Capital e 140 se encontram em 95 municípios do Estado.

DOIS TIPOS DE UNIDADES

Do total, 102 hospitais (52,85%) estão sob gestão municipal e 91 unidades sob a responsabilidade do Estado – o que representa um percentual de 47,15%. Destes, 59 são considerados de pequeno porte (até 50 leitos); 68 de nível médio (51 a 150 leitos); 63 de nível grande (de 151 a 500 leitos) e 3 de porte especial (acima de 500 leitos).

O Painel contempla dois tipos de unidades: Hospitais Gerais (158), que representam 81,7% do total, e Hospitais Especializados (35), num percentual de 18,13%. No primeiro caso, foram realizadas 621.088 internações com permanência média de 5,34 dias por paciente. Já os atendimentos nas unidades especializadas alcançaram o montante de 74.317 internações, representando uma média de 6,79 dias por enfermo.

Deixe uma resposta