Empresa de saneamento em Atibaia completa 1500 dias sem acidente de trabalho

Compartilhe!

Embora o cenário seja preocupante, no município, a empresa de esgotamento sanitário, Atibaia Saneamento, que mantém uma parceria público-privada com a SAAE Atibaia, comemora 1.500 dias sem acidente de trabalho na operação.

Segundo o Observatório Digital de Segurança e Saúde do Trabalho, entre 2012 e 2018, foram contabilizadas 17,2 mil mortes em razão de algum incidente ou doença relacionados à atividade laboral. Infelizmente, o Brasil registra um óbito por acidente de trabalho a cada 3 horas e 40 minutos.
Embora o cenário seja preocupante, no município, a empresa de esgotamento sanitário, Atibaia Saneamento, que mantém uma parceria público-privada com a SAAE Atibaia, comemora 1.500 dias sem acidente de trabalho na operação.
“A prevenção por meio de treinamento e capacitação, além da mudança de comportamentos de riscos dos colaboradores foram fundamentais para alcançarmos esse marco importante para a empresa e para a cidade”, afirmou Eduardo Caldeira, diretor da Atibaia Saneamento. Inclusive, no último dia 28 de abril, para celebrar o Dia Mundial e Nacional de Memória às Vítimas de Acidentes e Doenças de Trabalho, os funcionários da empresa participaram da Corrida 3 Lagos e, na camiseta personalizada, estamparam a conquista dos 1.500 dias sem acidentes de trabalho.
No Brasil, a segurança no trabalho vem merecendo especial cuidado desde a década de 70, quando o país ostentava o título de campeão mundial em acidentes de trabalho. Hoje, entre os equipamentos de proteção individual, conhecidos como EPIS, mais comuns estão máscara de proteção respiratória, capacete, botas, luvas, macacões e óculos. “Aqui na Atibaia Saneamento, temos a saúde e a segurança como um valor, portanto o uso dos EPIS é mais do que obrigatório, é natural”, afirma Sergio Bovo, gerente da operação.
De acordo com o técnico de segurança de trabalho da Atibaia Saneamento, Roberto Ramos, os acidentes mais comuns no setor do saneamento são contaminação por produtos químicos, quedas de caminhões, atropelamentos, picadas de animais peçonhentos, queda de alturas, cortes e queda de materiais durante a operação de limpeza do gradeamento.

Deixe uma resposta