Alunos da Universidade Federal do ABC desenvolvem estudo sobre o Plano Diretor de Atibaia

Compartilhe!

A revisão e atualização do Plano Diretor de Atibaia continua em andamento pela Prefeitura de Atibaia. O objetivo é garantir um futuro melhor e com mais planejamento para a cidade nos próximos dez anos. Faz parte do processo debater com a sociedade e construir, coletivamente, as diretrizes e políticas urbanas que farão parte do novo plano. Neste processo, a participação da sociedade, em seus diferentes segmentos, é fundamental e, por isso, todo envolvimento é considerado bem-vindo.
No último dia 16, a Comissão de Coordenação para Revisão e Atualização do Plano Diretor, presidida pela Coordenadoria Especial de Planejamento Estratégico da Prefeitura, recebeu a visita de estudantes da Universidade Federal do ABC – UFABC. Cerca de 25 alunos e dois professores da instituição tiveram contato com os avanços e desafios relacionados ao processo de revisão e atualização do Plano Diretor de Atibaia.
A comitiva da UFABC também foi levada para um trabalho de campo para entender, in loco, a proposta de macrozoneamento da Prefeitura – que atualmente passa por revisão em razão de contribuições de setores da sociedade civil durante o processo de Leitura Comunitária. Eles percorreram diversos pontos do município, especialmente áreas urbanas consolidadas, região central, áreas limites entre a zona rural e urbana, parte da área rural, ocupações irregulares e assentamentos precários, em conformidade com o levantamento realizado no diagnóstico do Plano Diretor.
A visita a Atibaia aconteceu como parte da disciplina “Oficina de Planejamento Urbano” da UFABC, ministrada pela Prof.ª Guadalupe de Almeida, em conjunto com a Prof.ª Rosana Denaldi. Em 2018, a disciplina focava o diagnóstico que antecederia o Plano Diretor de Atibaia. Agora, uma nova turma desenvolve um trabalho com foco na elaboração de uma proposta de Plano Diretor, referenciada no ordenamento territorial (zoneamento e macrozoneamento), uso e ocupação do solo e aplicação de instrumentos urbanísticos.

Deixe uma resposta