Atibaia está entre as 60 melhores cidades do país para se viver

Compartilhe!

O IFDM usa como base emprego e renda, saúde e educação para definir quais são as cidades mais desenvolvidas, entre os 5.471 municípios.

Em uma lista que reúne 100 cidades do Brasil, Atibaia ficou em 56º no ranking. 75º – Jarinu conseguiu o 75º lugar, Campinas, a colocação de número 80; e Bragança Paulista, o posto de 81º. O levantamento foi medido pelo Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM). A Firjan é a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro, a Fiesp carioca.
O IFDM usa como base emprego e renda, saúde e educação para definir quais são as cidades mais desenvolvidas, entre os 5.471 municípios do país – onde vivem 99,5% da população brasileira. A cidade número 1 do ranking, pelo segundo ano consecutivo, é Louveira. O município tem pouco mais de 40 mil habitantes e foi o único a registrar índice acima de 0,9. Apenas 431 municípios conseguiram nota acima 0,8 – a maior parte deles está concentrada no Sul, Sudeste e Centro-Oeste.
RETROCEDEU TRÊS ANOS
A média do IFDM Brasil ficou em 0,6678 (sendo que, quanto mais perto de 1, melhor o grau de desenvolvimento). Segundo análise da Firjan, a crise econômica que o país enfrentou nos últimos anos fez com que o nível socioeconômico das cidades brasileiras retrocedesse em três anos.
De acordo com o estudo, na comparação com 2015, as áreas de educação e saúde tiveram o menor avanço da última década e não compensaram as perdas do mercado de trabalho nos últimos anos.
EMPREGO E RENDA
A análise mostra que o país está bem longe das metas estabelecidas pelo Plano Nacional de Educação (PNE), monitoradas pelo IFDM. A meta, por exemplo, de universalizar a educação na pré-escola para crianças de 4 e 5 anos poderá ser atingida somente em 2035, caso o crescimento observado de 2014 a 2016 se mantenha.
Na análise de Emprego e Renda, o IFDM aponta que, entre 2015 e 2016, foram fechados quase 3 milhões de postos de trabalho formais no país. Em 2016, apenas 2.254 cidades geraram empregos, ou seja, quase 60% fecharam postos de trabalho, incluindo capitais e grandes centros econômicos.

O Atibaiense – Da redação

Deixe uma resposta