Maioria dos acidentes com vítimas em Atibaia são em vias municipais

Compartilhe!

Apesar de haver mais acidentes nas vias municipais, as rodovias são as responsáveis por 61,54% das mortes no trânsito.

O Atibaiense – Da redação

Na semana em que se comemora o Dia Nacional do Trânsito, dados do Infosiga SP mostram que em agosto de 2019 a maior parte dos acidentes com vítimas (feridos) em Atibaia ocorreu em vias municipais. As mortes, no entanto, são mais frequentes nas rodovias.

O Governo de São Paulo lançou essa semana uma nova plataforma do Infosiga SP, sistema de dados gerenciado pelo programa Respeito à Vida. Além de estatísticas sobre vítimas fatais de trânsito, a partir de agora é possível obter informações sobre acidentes com vítimas não fatais em ruas e rodovias de todo o Estado, em um sistema chamado Infomapas.

Pelo mapa de agosto, Atibaia registrou 33 acidentes com vítimas não fatais (apenas feridos). A maioria – 18 casos – foram em vias municipais. Houve registros nos bairros Jardim Colonial, Jardim Cerejeiras, Jardim do Lago, Vila Thais, Vila Santista, Terceiro Centenário, Avenida Jerônimo de Camargo próximo ao Terceiro Centenário, Jardim Jaraguá, Recreio Estoril e bairro do Portão.

Outros 15 casos foram nas rodovias Fernão Dias (10 acidentes com feridos), D, Pedro I (um acidente) e no entroncamento entre as duas rodovias (quatro casos).

Apesar de haver mais acidentes nas vias municipais, é nas rodovias onde ocorrerm a maior parte das mortes. O Infosiga SP mostra que de janeiro a agosto 61,54% dos acidentes com mortes foi em rodovias; 34,62% nas vias municipais e há 3,85% dos casos com dados sobre o local não disponíveis.

Entre janeiro e agosto, houve 26 mortes no trânsito em Atibaia. O mês com mais acidentes fatais foi julho, com oito casos. Agosto registrou apenas uma morte.

ESTATÍSTICAS

Segundo o Infosiga SP, para cada acidente fatal há 27 ocorrências com feridos. Em agosto, foram registrados 478 óbitos causados por acidentes, aumento de 2,8% na comparação com o ano passado (465 fatalidades).

Antes de se tornarem públicos, os dados diInfomapa sobre acidentes já eram utilizados por 304 cidades parceiras do programa Respeito à Vida. As informações geraram mais de 8,5 mil intervenções para mitigar acidentes em pontos considerados críticos. Agora, as estatísticas são abertas à população com atualização mensal por meio da plataforma do Infosiga SP disponível no site www.respeitoavida.sp.gov.br. No Infomapa, sistema que traz a geolocalização das ocorrências, também é possível acessar mapas com “manchas de calor” que apontam os locais com maior concentração de acidentes e fatalidades.

No caso dos acidentes sem vítima fatal, o Infosiga SP fornece uma dimensão estatística do problema obtida a partir uma base de dados mais de duas vezes maior (cerca de 11 mil ocorrências) quando comparada com as fontes para vítimas fatais (5 mil registros). Para identificação das ocorrências sem vítimas, são utilizados boletins de ocorrência da Polícia Militar, Polícia Militar Rodoviária, Corpo de Bombeiros e Polícia Rodoviária Federal. No caso dos óbitos, a fonte são os boletins de ocorrência da Polícia Civil.

Entre janeiro e agosto deste ano, houve cerca de 11,8 mil acidentes com vítimas por mês (94,3 mil em oito meses). Dessas ocorrências, 79% aconteceram em vias urbanas e 39% durante os períodos da noite e madrugada. Metade dos acidentes foram colisões contra outros veículos.

Já os dados para fatalidades do Infosiga SP de agosto apontam aumento de 2,8%, com 478 casos registrados neste ano e 465 em 2018. No acumulado do ano, a redução é de -1,6% (3.549 fatalidades contra 3.607 nos primeiros 8 meses de 2018).

Houve aumento no número de vítimas motociclistas (170 contra 137 no ano passado, +24,1%) e pedestres (128 contra 121, +5,8%). Entre ocupantes de automóvel, a redução foi de -8,7% (116 contra 127). O índice é praticamente estável para ciclistas (40 óbitos neste ano contra 41 em 2018, -2,4%).

Os dados sobre acidentes também são utilizados pela Polícia Militar. O Comando de Policiamento de Trânsito (CPTran) desenvolve operações de fiscalização e outros projetos com bases nas estatísticas geradas pelo Infosiga SP. A mesma lógica é aplicada pelo Comando de Policiamento Rodoviário (CPMRv).

Deixe uma resposta