Plano de Mobilidade prevê 16 trechos de ciclovias em Atibaia

Compartilhe!

São propostas ciclovias em 47 ruas e avenidas de Atibaia, nos mais diferentes bairros. Algumas avenidas estão incluídas em diferentes trechos.

O Atibaiense – Da redação

O Plano de Mobilidade Urbana de Atibaia foi aprovado pelos vereadores na sessão de 6 de agosto e sancionado pelo prefeito Saulo Pedros, com publicação na Imprensa Oficial de 21 de agosto. Já em vigor, uma das propostas do plano é a implantação de 16 trechos de ciclovias no município.

O Plano estabelece as diretrizes para o acompanhamento e o monitoramento de sua implantação, avaliação e revisão perióda. Algumas das diretrizes do plano aprovado são a priorização do pedestre e modos de transporte não motorizados sobre os motorizados, assim como dos serviços de transporte público coletivo sobre o transporte individual motorizado.

Entre as ações elencadas para serem colocadas em prática está a criação de ciclovias/ciclofaixas. No Anaxo IV do Plano de Mobilidade Urbana há previsão de 16 trechos, incluindo 47 ruas e avenidas.

Todos os traçados e a locação nas vias dependerão de projeto específico de implantação das ciclovias, podendo sofrer alterações de locais, após justificativas técnicas, incluindo a utilização de outras vias, não listadas no Plano.

Pelo Plano, o trecho 1 de ciclovias englobaria as avenidas Jerônimo de Camargo e Cinamomos (Jardim dos Pinheiros). O trecho 2, as ruas João Pires, Adolfo André, Dr. Zeferino Alves do Amaral, Moacyr Colturato Filho, praças Pedro de Toledo e Pio XII e Avenida Juvenal Alvim (Centro).

O trecho 3, também no Centro, traz as ruas Esmeralda Tarquinio, José Alvim, Thomé Franco, José Roberto Alvim Netto, AttilioRussomanno, Monsenhor Kohly, Dr. Zeferino Alves do Amaral, Presidente Lincoln, avenidas da Saudade e São João e praças Dr. Miguel Vairo, Bento Paes e Aprígio de Toledo.

O trecho 4 traz a Alameda Professor Lucas Nogueira Garcez, avenidas Alfredo André e Vereador Gaspar Camargo, além da Rua Itália. O trecho 5 é a Alameda Professor Lucas Nogueira Garcez.  O trecho 6 é a Avenida Santana. O trecho 7 as ruas Rubens Paiva e Antonio Silvio Cunha Bueno (Vila Giglio).

O trecho 8 propõe ciclovia nas avenidas Campinas e Piracicaba, além da Alameda Araraquara (Jardim do Lago). O trecho 9 é a Avenida Brigadeiro José Vicente Faria Lima. O trecho 10 a Avenida São Paulo e Rua Durval de Souza (Alvinópolis).

O trecho 11 as avenidas Professor Doutor Flávio Pires de Camargo e Professor Carlos Alberto A. Carvalho Pinto.

Os trechos 12, 13 e 14 ficam no Jardim Imperial. O 12 engloba as avenidas Imperial, Industrial Walter Kloth e Prefeito Antonio Júlio de Toledo Garcia Lopes e as ruas da Meca e Presidente Vargas. O 13, a Avenida Dom Pedro II e a Rua Tokio. O trecho 14 seria na Avenida Prefeito Antonio Júlio de Toledo Garcia Lopes.

O trecho 15 fica na região do Caetetuba e Cerejeiras, com a Avenida Maracanã e ruas Dona Ana Pires, Londres e Mantiqueira. O último trecho, o 16, é a Avenida Jerônimo de Camargo.

O Plano de Mobilidade Urbana não traz especificações de obras. É apenas um indicativo de ações necessárias para melhorar a mobilidade do município. A implantação das ciclovias é uma das propostas para melhorar a mobilidade, mas não significa que todos esses trechos receberão obras. Ou que as ciclovias serão exatamente nos trajetos citados.

Deixe uma resposta