Polícia efetuou 523 prisões em Atibaia de janeiro a julho

Compartilhe!

Os dados foram divulgados pela Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo. Somente em julho, foram 93 prisões.

O Atibaiense – Da redação

A polícia de Atibaia efetuou 523 prisões entre os meses de janeiro e julho deste ano. São 14,6% a mais que no mesmo período do ano passado – de janeiro a julho de 2018 foram 456 prisões.
Os dados mostram que a produtividade policial do município traz bons índices. A polícia realizou 109 ocorrências de tráfico de drogas, nove de porte ilegal de arma de fogo, sendo 31 armas apreendidas; houve 344 flagrantes lavrados, 44 menores infratores apreendidos em flagrante, 16 apreendidos por mandado; 442 pessoas foram presas em flagrante e 174 por mandado. A polícia conseguiu recuperar 93 veículos e instaurar 887 inquéritos.
Com relação aos crimes, não foi registrado nennhum homicídio em julho, com apenas dois casos no ano. As tentativas de homicídio foram 10 e houve um latrocínio nos sete primeiros meses do ano. Os casos de estupro foram de 34.
Os roubos foram 227, ante 237 registrados de janeiro a julho de 2018. Roubos de veículos e roubos de carga ficaram abaixo do total de 2018, nos sete primeiros meses do ano. Os furtos caíram de 945 para 790 e os furtos de veículos também diminuíram – de 149 para 99.

NO ESTADO
O interior do Estado de São Paulo fechou o mês de julho com redução nos casos e vítimas de homicídios e em todas as modalidades de roubos e furtos, na comparação com igual período em 2018. Além disso, o número de prisões teve recorde no interior. Em todo o Estado também houve redução nos indicadores homicídios, latrocínios e estupros.
As mortes intencionais recuaram 30,5% em julho, no interior paulista. Com 39 casos a menos, o indicador passou de 128 para 89. A quantidade de vítimas reduziu de 29,5% (de 132 para 93). Os números são os menores já registrados na série histórica, iniciada em 2001.
Com as reduções, as taxas dos últimos 12 meses (de agosto de 2018 a julho de 2019) ficaram em 6,44 casos e 6,67 vítimas para cada grupo de 100 mil habitantes – as menores, se analisada a série histórica.
No período, as extorsões mediante sequestro ficaram zeradas pela quarta vez na série histórica. Os estupros, reduziram de 7,7%, passando de 505 registros em julho de 2018 para 466 no mês passado.
Os casos de latrocínios registraram dois registros a mais em julho de 2019, de seis para oito (33,3%). O indicador de vítimas de roubos seguido de morte passou de sete para oito no período mensal, aumento de 14,3%.
O interior do Estado terminou o sétimo mês do ano com redução em todas as modalidades de roubos e furtos, se comparado a igual período do ano anterior. Com 377 casos a menos, os roubos em geral tiveram queda de 7,4%, passando de 5.116 para 4.739. É o menor número da série histórica.
No indicador roubos de veículo, a redução foi de 16,2%, com 174 ocorrências a menos. O total passou de 1.072 para 898 na comparação com os meses de julho de 2018 e 2019. A quantidade é a menor da série histórica.
A queda no indicador de roubos de carga foi de 17,6%, com 34 ocorrências a menos (de 193 para 159). Os roubos a banco ficaram zerados pela primeira vez, após um registro em julho do ano passado.
Os furtos de veículos reduziram 10,3%, com 2.666 casos registrados no mês passado, ante 2.972 em igual período do ano passado. A tendência se estendeu para os furtos em geral, que caíram 0,1% (de 19.286 para 19.272) e alcançaram o menor total da série.
Em julho, o trabalho das polícias paulistas resultou em 10.523 prisões no interior de São Paulo – aumento de 4,5% e recorde para o período. Além disso, 2.775 flagrantes de tráfico de drogas foram registrados e 688 armas de fogo foram retiradas das ruas no período.

Deixe uma resposta