Descarte de resíduos sólidos na rede de esgoto provoca transtornos que podem ser evitados

Compartilhe!

Empresa de saneamento dá dicas de como escapar de entupimentos.

A rede de esgoto é um sistema de canalização que recebe e transporta os resíduos líquidos de residências, comércio, indústrias ou qualquer outro estabelecimento até uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE). Sua estrutura física é projetada para receber apenas efluentes de esgoto, ou seja, água do banho, da pia de cozinha, do vaso sanitário e da lavagem de roupas. Qualquer material sólido descartado nessa rede irá comprometer a eficiência e qualidade do seu funcionamento.

A rapidez do escoamento do esgoto depende, entre outros fatores, do diâmetro, caimento, assim como da ausência de curvas acentuadas das tubulações. Embora, a qualidade de toda essa estrutura física seja de responsabilidade da empresa de saneamento básico, a operação dos serviços pode ser comprometida quando a população faz o descarte indevido de resíduos sólidos na rede. O entupimento das tubulações ainda nas residências ou em pontos da rede externa são exemplos de mau uso do sistema esgotamento sanitário.

Papel higiênico, absorvente íntimo, fio dental, cotonetes e, inclusive chumaços de cabelo descartados no vaso sanitário ou pia do banheiro, dificultam a passagem do esgoto e, com o tempo, podem provocar o entupimento na tubulação interna da própria residência. A mesma coisa acontece quando pó de café, restos de comida, tampas de detergente, pedaços de sabão, embalagens de papel ou plásticas são descartadas pelo ralo da pia da cozinha ou tanques de roupas. Apesar do óleo de cozinha ser uma substância fluída, é importante lembrar que quando despejado na rede de esgoto, a gordura se acumula nas bordas das tubulações e acelera ainda mais o processo de entupimento.

Para evitar o transtorno que tudo isso gera da rede de esgoto, mudança de hábitos e alguns cuidados são indicados, tais como colocar ralos em pias, tanques e demais saídas de água, recolher os cabelos que se acumulam no ralo do banheiro, separar o óleo de cozinha e colocá-lo junto à coleta seletiva ou levar em postos de recebimento para reciclagem e, nunca jogar nenhum objeto sólido nos vasos sanitários ou outras saídas de esgoto.

“Outro cuidado que deve ser tomado é o de fazer a limpeza do sifão da cozinha sempre que perceber que a água está descendo de forma mais lenta ou que há algum odor. A higienização é bem simples e, no geral, não requer contratação de empresa especializada, basta colocar um balde embaixo da pia, retirar o sifão, limpá-lo e depois colocar de volta”, orienta Felipe Parente, coordenador operacional da Atibaia Saneamento.

Deixe uma resposta