Projeto prevê aumento do fundo eleitoral de R$ 1,7 bilhão para R$ 3,7 bilhões

Compartilhe!

Verba para financiar partidos pode passar de R$ 1,7 bilhão para R$ 3,7 bilhões; Cacá Leão (PP-BA) diz que palavra final caberá ao Congresso.

Criado para compensar o fim das doações empresariais, o fundo eleitoral poderá mais do que dobrar no ano de 2020 e receber até 3,7 bilhões de reais para financiar campanhas de candidatos a prefeito e a vereador em todo o país. O acréscimo de 2 bilhões de reais terá como origem recursos públicos do Orçamento da União.

A previsão de aumento está no parecer do deputado Cacá Leão (PP-BA), relator da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Ele incluiu no texto do projeto a autorização de destinação de até 0,44% da receita corrente líquida prevista para este ano para o fundo eleitoral em 2020. Os montantes, a exemplo do que ocorreu no ano passado, seriam das emendas de bancadas estaduais. Essas emendas passaram a ter execução obrigatória após a aprovação, no início de junho, da proposta de emenda constitucional (PEC) do Orçamento impositivo.

O relatório destina 1% da receita corrente líquida para as emendas de bancada — mais do que o 0,8% aprovado na PEC — e destina 44% deste valor para o fundo eleitoral, o que daria cerca de 3,7 bilhões de reais. No ano passado, a regra previu que 30% do valor destinado às emendas iria para o fundo, o que somou 1,7 bilhão de reais.

O relator nega que seu parecer signifique obrigatoriamente um aumento, e disse que apenas fez constar a previsão na LDO. Segundo ele, trata-se de uma autorização, já que o valor final será definido apenas quando for discutida a Lei de Orçamento Anual (LOA) de 2020, que tem que ser aprovada até o fim do ano no Congresso.

Fonte: Veja

Deixe uma resposta