Como se defender do assédio virtual?

Compartilhe!

O assédio virtual é uma nova modalidade e qualquer um de nós pode ser vítima. Recebi pedidos e propostas, em redes sociais, que podem ser encaixados nesse formato. Passei a não responder a perguntas comuns em diálogos virtuais para escapar às pressões, que incluem pedidos de dinheiro a especulações afetivas ou pseudo-afetivas.
Folclórico, risível ou perigoso? Diria que e uma mistura das três alternativas. Mais consistente do ponto de vista profissional é o assédio online sobre jornalistas. A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) pretende sensibilizar veículos, jornalistas, empresas de tecnologia, entidades ligadas ao jornalismo e à liberdade de expressão e autoridades policiais e da Justiça para a gravidade desse assédio, bem como recomendar a necessidade de jornalistas e redações elaborarem protocolos de defesa contra esse problema.
O material inclui orientações práticas para lidar com ataques nas redes, além de recomendações que prezam pela privacidade dos jornalistas e por um uso consciente das redes sociais. A Abraji entende que registrar comportamentos abusivos e eventualmente buscar seus direitos na Justiça são meios de mostrar aos agressores que há consequências para a violência praticada na internet.
Recentes ataques coordenados a jornalistas nas redes sugerem a atuação de grupos organizados, com diferentes vieses ideológicos, que agem de má-fé para desqualificar o trabalho do jornalista. Tais acontecimentos contribuem para uma desconfiança geral na imprensa, o que não é saudável para nenhuma democracia.
Além disso, o dano emocional de um assédio na internet é real e tem impactos na saúde do jornalista e no seu cotidiano profissional. Ainda que a maioria das agressões online não extrapole para as ruas, não se pode subestimar esse risco. Em primeiro lugar, está a integridade do jornalista, para que ele siga seu trabalho em defesa da liberdade de imprensa.
Nesse sentido, aponta a Abraji, é fundamental estar consciente das redes sociais e monitorar sua presença na web para não ser surpreendido com o uso de informações pessoais contra você. Separar a vida privada da profissional é uma dica.

Deixe uma resposta