O “assassinato” das reputações

Compartilhe!

A manchete do Estadão trouxe na primeira quinzena do mês mais um aspecto das famigeradas fake news. Após anunciar a abertura de inquérito para investigar ofensas e ameaças dirigidas a integrantes do Supremo Tribunal Federal, o presidente da Corte, Dias Toffoli, disse que a tecnologia voltada para destruir a honra será combatida a todo custo. Sabe-se que o Supremo foi alvo de novos ataques nas redes sociais e recebeu críticas até de procuradores da Lava Jato.
Segundo Toffoli, “esse assassinato de reputações que acontece hoje nas mídias sociais, impulsionado por interesses escusos e financiado sabe-se lá por quem, deve ser apurado com veemência e punido no maior grau possível. Isso está atingindo todas as instituições e é necessário evitar que se torne uma epidemia”.
A escalada de agressões enviadas principalmente em correntes de WhatsApp e postagens no Twitter e Facebook preocupa a Corte em um momento de crescente tensão política. “Os ataques às instituições que vitimizam todos, incluindo a imprensa séria, são verdadeiros atentados ao estado democrático de direito”, insistiu Toffoli. “Judiciário independente e imprensa livre são as bases da democracia. Foi assim que os Estados Unidos foram construídos.” Para o ministro do Supremo Gilmar Mendes, as “milícias digitais” não são amadoras. “Precisamos melhorar o sistema de defesa a esses ataques industrializados”, comentou ele.
Uma das suspeitas que devem ser investigadas agora pela Corte é a possibilidade de haver um movimento internacional sustentando as agressões nas redes sociais, com o objetivo de desestabilizar o País. “Pode ser, eventualmente, uma hipótese para atender a indústria bélica, que há muitos anos não tem uma grande guerra como cliente”, argumentou Toffoli.
Em tempo: “Assassinato de reputações – um crime de Estado” é o título de livro escrito por Romeu Tuma Junior, filho do senador e diretor do Dops Romeu Tuma, que aborda o polêmico grampo telefônico no STF e o tratamento dado a desafetos políticos e empresariais pelo governo petista. Atualmente, o grupo bolsonarista é acusado de prática semelhante, inclusive contra jornalista do Estadão.

Deixe uma resposta