Abraço Cultural defende o Casarão contra desapropriação

Compartilhe!

Segundo a entidade, “é o momento de se posicionar contra a desapropriação para que o Casarão continue sempre vivo!

A AsPAS – Associação dos Proprietários e Amigos do Solar Coronel Manoel Jorge Ferraz realizou, na tarde do último domingo, o 2º Abraço Casarão Julia Ferraz, com manifestações contra a desapropriação. Os participantes cercaram o Casarão, de braços dados, e falaram ao microfone, criticando o projeto da Prefeitura. O Abraço Cultural é uma iniciada coordenada pela escritora e professora Juliana Gobbe.

Segundo a entidade, “é o momento de se posicionar contra a desapropriação para que o Casarão continue sempre vivo! Nossa intenção foi construir esse abraço coletivamente e, para isso, pedimos que todos os interessados repassassem as informações e compartilhassem nossos posts e stories no facebook.com/casaraojuliaferraz e no https://www.instagram.com/casaraojuliaferraz/”.

A Associação afirmou que a desapropriação anunciada pela Prefeitura “é um mecanismo unilateral do poder público e não garante o restauro e nem a manutenção do Casarão como prédio e como ponto de cultura! Além disso, essa desapropriação é desnecessária, pois a AsPAS, associação responsável pelo Casarão, foi selecionada em um edital para realizar a estabilização do prédio”.

O Casarão Julia Ferraz é um prédio histórico localizado no centro de Atibaia, ao lado da igreja Matriz. É também um espaço cultural independente desde 1975, realizando eventos gratuitos de múltiplas linguagens.

PREFEITURA

A Prefeitura da Estância de Atibaia está realizando um processo de desapropriação do Solar Coronel Manoel Jorge Ferraz, mais conhecido como Casarão Júlia Ferraz, e um dos principais patrimônios culturais e históricos de Atibaia, com o objetivo de garantir a sua preservação e conservação.

Para viabilizar a recuperação do prédio, a Prefeitura publicou na Imprensa Oficial Eletrônica da Estância de Atibaia (IOE) edição n.º 2072, dia 16 de março, o Decreto nº 8.785/19, que declara de utilidade pública, para fins de desapropriação, amigável ou judicial, o imóvel localizado à Rua José Lucas, nº 11, Centro de Atibaia.

A iniciativa leva em consideração o valor histórico e cultural do prédio, já que o imóvel é um exemplar da arquitetura colonial do século XVIII e, no passado, abrigou ilustres personagens da história de Atibaia, inclusive notáveis participantes da Revolução Liberal de 1842. O prédio também foi tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo – CONDEPHAAT.

Ao longo do tempo, a fachada do Casarão Júlia Ferraz apresentou movimento estrutural, com sinais de trincas e fissuras, indicando a possibilidade de desabamento, o que inclusive exigiu a realização de escoramento preventivo, efetivado pela Secretaria de Estado da Cultura, com aprovação do CONDEPHAAT, no ano de 2014.

DESAPROPRIAÇÃO DO CASARÃO JÚLIA FERRAZ

Em notificação extrajudicial (datada de 27 de setembro de 2017), foi noticiado o estado de abandono do imóvel, colocando em risco a incolumidade física das pessoas e a integridade desse valioso patrimônio.

Como o Casarão Júlia Ferraz é uma propriedade particular, a Prefeitura não pode providenciar as intervenções necessárias de preservação e manutenção do imóvel, por isso, vem propondo há anos, junto à associação formada por familiares e herdeiros da Sra. Julia Ferraz, uma solução legal para que o Poder Público possa aportar recursos na recuperação e liberação do prédio.

Diante das diversas tratativas e percebendo a dificuldade por parte da associação em fazer a captação de recursos para a restauração do imóvel, não restou outra alternativa ao Poder Executivo senão decretar a utilidade pública do prédio, com a finalidade de desapropriá-lo e integrá-lo ao patrimônio municipal, viabilizando a necessária revitalização e evitando riscos de maiores problemas estruturais.

O decreto publicado também define que o processo judicial de desapropriação correrá em caráter de urgência. Nesse período, no entanto, se a associação conseguir viabilizar a captação de recursos para revitalização do prédio por meio de leis de incentivo fiscal, como a Lei Rouanet ou o ProAc, antes de a Prefeitura ter realizado qualquer intervenção no imóvel, o Poder Executivo poderá revogar o decreto de desapropriação.

Deixe uma resposta