Rezadora de São Gonçalo de Atibaia recebe prêmio do Ministério da Cultura

Compartilhe!

Dona Minga é devota de São Gonçalo e herdou do Mestre Antonio Teles a missão de conduzir os grupos de rezadores, com muita seriedade e respeito há mais de 30 anos.

Domingas Aparecida Gervário, mais conhecida como Dona Minga, rezadora de São Gonçalo em Atibaia, recebeu o prêmio Selma do Coco, em sua sexta edição, oferecido pelo Ministério da Cultura a pessoas e grupos que se destacam na divulgação e ensino das práticas culturais, religiosas e folclóricas do país.

Trata-se da maior premiação da cultura popular realizada pelo MinC em termos de valores e número de premiados. Foram investidos R$ 10 milhões – valor recorde – em 500 iniciativas que fortaleçam e contribuam para dar visibilidade a atividades culturais de todo o Brasil.

SELEÇÃO DOS PREMIADOS

A seleção dos premiados foi conduzida por uma comissão composta por 30 membros: 15 servidores públicos e 15 membros da sociedade civil. Os critérios de seleção incluem o grau de intercâmbio de saberes e fazeres da cultura popular que tenham proporcionado aprendizado entre diferentes gerações, a relevância e a contribuição sociocultural das práticas nas comunidades em que são desenvolvidas, a capacidade de perpetuação e preservação dessas atividades tradicionais, gerando emprego e renda, entre outros.

Dona Minga é devota de São Gonçalo e herdou do Mestre Antonio Teles a missão de conduzir os grupos de rezadores, com muita seriedade e respeito há mais de 30 anos. Participou com o mestre Antonio Teles de seu grupo por 10 anos. Segundo Dona Minga, ”ser mestre é tomar conta do batalhão, fazer o agendamento das festas, ajudar na decoração dos andores, iniciar as rezas e tirar a procissão de todos os altares da festa. Já participei de festas com 6 e até com 11 altares”.

VALORIZAR A CULTURA

Além do grupo, Dona Minga também faz um trabalho didático na Escola do bairro de Batatuba, que tem o nome do falecido Antonio Teles. São cerca de 28 crianças que aprendem as músicas e a importância de manter a tradição e a fé em São Gonçalo do Amarante.

As funcionárias da Secretaria de Cultura e Eventos Rita Moura e Lilian Vogel auxiliaram na inscrição da dona Minga ao prêmio, por entenderem que a cultura popular de Atibaia e região deve ser valorizada, conhecida e divulgada. As rezas e danças para São Gonçalo vieram de Portugal e não existem mais por lá.

QUEM FOI NA HISTÓRIA

Selma do Coco, homenageada deste ano, foi cantora em Pernambuco, falecida em 2015. Nascida em 1925 emVitória de Santo Antão, deixou como principal legado sua contribuição para a consolidação do coco, ritmo típico do Nordeste brasileiro.

São Gonçalo foi padre beneditino e dominicano, nascido Portugal, onde pregou por muitos anos em Amarante. Saiu em peregrinação pela Europa e, quando voltou, não teve permissão para retornar à sua Paróquia. Fez a obra da ponte de Amarante e naquela época operou vários milagres. Atendia o povo e promovia bailes para evangelizar, tocando a guitarra portuguesa.  Realizou muitos casamentos de mulheres mais velhas.

Deixe uma resposta